Os conteúdos aqui seleccionados são exclusivos para assinantes PGLOBAL

Assine já

O PGLOBAL está incluído na assinatura PÚBLICO.

Já é assinante? Inicie sessão aqui

O ano em que o fim do mundo se tornou possível

2020 foi o ano em que convivemos com a catástrofe e o fim ficou mais perto. O que é que a pandemia nos ensinou? Os filósofos andam às voltas com o problema, enquanto os artistas tacteiam caminhos para sair do caos. Entre distopias e utopias, é o corpo do espectador que pode renascer.

tiago-rodrigues,fundacao-calouste-gulbenkian,opera,culturaipsilon,musica,antonio-guterres,
Foto
Bruno Frango/TNSC